segunda-feira, fevereiro 28, 2005

A standardização vigente em todas as manifestações da sociedade (aka porra, a noite dos Óscares foi algo desenxabida, não foi?)

|
Pela primeira vez, nos meus 23 anos de vida, assisti em directo à cerimónia dos Óscares. E desde já digo que não gostei de ser servido como se estivesse num McDonald's. Senão vejamos:

Bem, no que realmente importa, isto é, vencedores e vencidos, não posso falar de forma liminar, já que me faltou ver (é o que dá viver na província) filmes como o grande vencedor da noite (o Million Dollar baby), o Sideways, o Ray ou o Mar Adentro. Mas tendo em conta que, não o desmerecendo, o Aviador era demasiado épico para meu gosto, não me importei muito que o filme do tio Clint (como ele é republicano, podemos tratá-lo de tio.... ;) ), ganhasse as categorias mais categorizadas (E finalmente deram um Óscar ao Morgan Freeman caraças! Já não era sem tempo! E isto sem ter visto o filme...), quanto mais não seja pela impressão muito positiva com que fiquei com o anterior Mystic River. Muito bem atribuído também o Óscar de melhor actriz secundária à Cate Blanchett, graças à sua prestação como Katherine Hepburn no filme do Scorsese (eu diria que só a prestação dela justifica o investimento no bilhete do filme!). E quando é que dão um Óscar ao Johnny Depp??

Só uma última nota para enunciar as minhas favoritas da noite:

P.S. - Partilhando muitos dos meus pontos de vista, e estando mais estrutrada e complementada, vão ver a crónica que o Miguel escreveu no sítio do costume.


E depois falam dos comunistas, não é?...

|
Membro da Comissão Política pede expulsão de Pacheco

|
Há uns tempos atrás, postei (se é que tal vocábulo existe) um excerto do Hold on to your friends do grande Steven Patrick, onde o "mestre" fala na importância da amizade. E como em muitas coisas mais, eu assino por baixo das suas declarações.
No que diz respeito a esse valor (a amizade), posso dar-me como afortunado. Muitas vezes vê-se aqueles figurões com montes de gente à volta, tratando todos por amigos. Acontece que se algo de mal acontecer a esses figurões, poucos ou nenhuns ficarão com aquele. Quer na vilória natal, quer na cidade da formação académica, posso-me orgulhar de ter um importante núcleo de Amigos, com os quais posso minimamente contar. Não entremos popr aquelas mesquinhices saloias de "pôr as mãos no fogo por qualquer um" ou "ele(a) é como um(a) irmã(o) para mim". Felizmente, quer em Lisboa, quer em Portimão não passamos por esse tipo de clichés.
Juntamo-nos, somos e pronto.
Tudo isto a propósito do último fim-de-semana passado na Malibu Portuguesa (também conhecida como Ericeira) na casa de um velho camarada que, apesar de manter um diálogo constante via ADSL, não via presencialmente há dois anos. Assim, na casa do camarada Manel (espero que ele não se chateie com o epíteto aplicado...), juntou-se o grupinho do costume, que não se reunia desde Outubro passado, mas sem precisar de fazer o barulho equivalente a um almoço de veteranos da tropa para aniquilar as saudades que se pudessem ter acumulado (conceito não muito discutido entre nós). Vê-se uma camarada com namorado novo, um camarda cada vez mais careca, um recém-encartado, uma estrela d'A Capital, uma capitalista promovida a professora universitária ou uma camarada que afinal sempre ficou fiel à sua margem sul no acto eleitoral. Aliás, foi engraçado constatar que, se os presentes fosse os únicos votantes no país, a CDU tinha ganho com maioria absoluta...
Até à próxima!!
P.S. - Manel, tá descansado que o Punto não foi vendido este fim-de-semana
P.S.2 - Mais uma vez Zé, obrigado pelos CD's. O Houses of the Holy é muito bom, enquanto que as raridades do Neil Young são mais country que Neil Young propriamente dito. Logo digo o que é que achei dos outros
P.S.3 - Alimenta-te Rute, estás magra!!! ;)

quarta-feira, fevereiro 23, 2005

O prémio "toma lá, mais valia teres estado quieto" vai para...

|
... Manuel Monteiro!!! Sim, o homem que até há poucos anos tinha um pára-brisas em vez de óculos, perdeu a oportunidade de voltar a liderança do seu PP (sim, foi ele que inventou a brincadeira do PP para o CDS). Tão premeditado quanto populista, o antigo herói das donas de casa foi fundar uma coisa que dá pelo nome de Nova Democracia, pensando que nem tão cedo ocuparia o poleiro do CDS. Quem se deve estar a rir agora é o Portas...
Continuando no CDS, acho estranho que o Telmo Correia, vencedor do prémio "Eu quero ser como o Paulo Portas", tenha dito que não avançava para a corrida pela liderança do partido. Pires de Lima (António) já disse o mesmo. Quem será? Irão aproveitar o élan mediático que Avelino Ferreira Torres ganhou com a participação na Quinta das "Celebridades"? Irão aproveitar a grande capacidade negocial que Daniel Campelo tem com o PS? Por mim, podem continuar nesta indefinição o tempo que quiserem...
Pelos lados de da rua de S. Caetano à Lapa, as coisas poderão levar um melhor rumo. Para além de Marques Mendes, também Luis Filipe Meneses já demonstrou vontade em se candidatar à liderança do partido. Nada mal, se atendermos que o PSD teve no passado recente líderes espalhafatosos como Marcelo ou Santana. No entanto, todos os "laranjas" estão à espera que a banshee fiscal (também conhecida por Manuel Ferreira Leite) avance como candidata à liderança. E aqui importa ressalvar que Marques Mendes já disse poder concertar esforços com a Nélinha dos Tostões.
Uma última nota para lembrar que estas diatribes de liderança só se dão nos partidos de direita (PS incluído, apesar de bravos como o Ferro ou o Alegre). No PCP ou no Berloque não se ouve nada disto. aliás, no Berloque aquilo até pode ser considerado um gang bang de líderes...

terça-feira, fevereiro 22, 2005

Netlúcia

|
Para desmistificar um pouco a imagem da falecida Irmã Lúcia e das Carmelitas Descalças, fica aqui um site para vos esclarecer, já que eu daqui a pouco tenho de ir para Faro, e não tenho tempo de escrever artigos para vosso entretenimento. Divirtam-se...

domingo, fevereiro 20, 2005

|
Santana na rua! Acho que é o maior suspiro de alívio que país mandou desde 25 de Abril de 1974! Nunca mais o homem com cabelo engomado irá presidir aos destinos da nação, nunca mais!!!
Ficam as minhas conclusões desta noite (pelo menos até às 22.06):

Outas coisas a ressalvar:

Segue-se ao longo das próximas semanas, a telenovela dos ministeriáveis.


sexta-feira, fevereiro 18, 2005

Uma reacção à reacção

|
Prezados seguidores,
Andam por aí supostos arautos da mudança, que pensam vir a ocupar o trono da seita. Nem pensar! A seita sou eu!
O engraçado é que este agitador continua a subverter o propósito incial da seita em atacar Teresa Guilherme, voltando as suas armas para Michael Schumacher. Para tentar corroborar a sua tese, socorre-se das opiniões de um dado Miguel Bordalo Dias, baptizado de principal especialista em assuntos da seita. Mas como é que este indivíduo pode saber mais da seita do que eu, sendo eu o fundador???!!!
Acusam-me também de promessas vãs, que distorcem hipotéticos objectivos iniciais. Será que o meu "opositor" ainda não se apercebeu que Teresa Guilherme é só a ponta do iceberg? Que a queixuda será só início de uma grande luta em favor de toda a portuguesagem?
Quanto à acumulação de cargos, como já disse, essa é só para deixar os meus seguidores sem nada para se preocupar senão em obedecer às minhas ordens, para que assim os objectivos da seita cheguem a bom porto. Quando eu for desta para melhor, aí logo escolhem um rumo. Mas por agora, eu é que o defino. Afinal, a seita sou eu!
E já repararam a brejeirice do meu opositor ao nomear a sua seita de MERDAS? Pior que isto, só nos "Malucos do Riso" ou nos "Batanetes" (programas que conto destruir com a vossa ajuda)!
Por fim, no que diz respeito a "oferendas", o meu adversário promete uma algumas vitualhas. Eu prometo restaurantes inteiros!!! Ocupemos o Solar dos Presuntos, o Tavares, o Pap'Açorda, a Adega da Tia Matilde, o Polícia, e afins! E aí, podereis empazinar à vontade e não viver da dieta de bolachas de água e sal com Sprite quente prometida por um certo lunático.
Isto não são promessas, são objectivos!
O Grande Líder Branquista

quinta-feira, fevereiro 17, 2005

Os Pontos nos Is

|
Rumores há em certos lugares da Internet que me querem retirar do posto de grande timoneiro da seita. Hereges! Infames!
Não reconheceis a verdade perante os vossos olhos, o bom senso? Então eu proponho-vos irradicar a Teresa Guilherme da TV portuguesa (produtora incluída), e vocês querem denegrir a imagem do maior piloto dos últimos dez anos (e talvez de sempre), o alemão Miguel Sapateiro???!!!!
Para que tudo fique esclarecido e a seita não caia nas mãos de Iznogoods de pacotilha, ficam aqui uns pontos que poderão esclarecer as vossas cabecinhas já iluminadas pela minha luz intelectual:
  1. Formar um movimento subversivo dentro do panorama audiovisual português (para começar) de forma a conseguirmos suprimir seres como Teresa Guilherme, Filipe la Féria (o homem quer matar o Olímpia, por amor de Eu!!!), João Baião, Marco Paulo (entre outros), a oferecer uma cirugia estética a Manuela Moura Guedes, de forma que ela não açambarque os portugueses que vêm a TVI com a sua boca, meter Guilherme Leite, José Carlos Malato, o gajo que pensa que é ventríloco no SIC 10 Horas, José Figueiras, e outros afins na prisão de Vale de Judeus.
  2. Ao contrário do que outros prometem, todos os cargos serão ocupados por mim, para assim vocês não terem mais nada em que preocupar senão em obedecer-me (sou magnânimo, não sou?)
  3. Uma vez controlados os audiovisuais, partir para a imprensa escrita e obrigar Luis Delgado a escrever nas paredes dos prédios que circundam o Marquês de Pombal, a seguinte frase, "Santana Lopes não ganhou dos debates", em toda a superfície que encontrar no espaço delimitado, obrigar João César das Neves a utilizar as palavras "comunismo", "Marx", "Álvaro Cunhal", "Lenine", "Avante" e "sandes de courato" no mesmo artigo de opinião e obrigar o director do 24 Horas a por uma rapariga verdadeiramente nua na capa (já basta de meio-gás, como fazem actualmente)
  4. Depois de controlada a imprensa, atingir as esferas políticas. De ressalvar que a Madeira passará à independência, com a condição de que mantenham o Alberto João na presidência até ao fim da vida deste (que é para ver se aprendem)
  5. Promover uma sessão pública de "Jogo do copo" (ouija board para os anglófanos) para se poder falar com os três pastorinhos e assim perceber-mos que drogas é que andaram a fumar em 1917
  6. Utilizar a mesma sessão para falar com o J.C., e ver se ele nos esclarece sobre qual dos Evangelhos é que está certo, ou o dos 4 beatos ou o do Saramago. Se o J.C. disser que é o do Saramago, então procede-se imediatamente à prisão perpétua (e sem direito a recurso) do Sousa Lara
  7. Para provar a boa-fé desta seita, iremos oferecer umas sessões de terapia da fala ao D. Duarte Tio
  8. Todo o trabalho fora da função pública, irá ter que se reger com os mesmos princípios éticos da maioria dos funcionários desta. Assim declaro criada a pausa para café, a pausa pré-café, a pausa pós-café, a pausa tenho-fome-nunca-mais-é hora-de-almoço, a pausa pós-almoço (ou digestiva), a pausa ainda-é-meio-da-tarde-e-nunca-mais-saio-desta-porcaria e a pausa já-só-faltam-10-minutos para sair. Ao instituir tal procedimento, deixará de haver atritos entre sector público e sector privado
  9. Este blog constitui o único sítio de onde emanam as ordens para as vossas linhas de acção
  10. O ponto anterior não impede que se continue a abordar os assuntos que costumam discorrer no html deste blog
  11. Eu não prometo oferecer nada. Quando muito, se por acaso, algum dos membros da seita se dirigir à cidade de Portimão, não me importo de servir os meus préstimos como anfitrião
  12. Nem pensem em contestar-me. Qualquer outra seita que apareça é um puro exercício de revisioniosmo refractário (pomposo, não?...), tipo CDS e Nova Democracia, i.e., quem sair irá fazer figura de Manuel Monteiro (e vocês não querem descer tão baixo, pois não?)
  13. Esta seita não tem quaisquer ligações com os partidos citados no ponto anterior. Era só para vocês perceberem (mas se quiserem, mando-vos um e-mail com um desenho)
  14. Vou jantar

O Grande Líder Branquista


quarta-feira, fevereiro 16, 2005

Fugindo à regra

|
Não é muito o tom deste blog, o de divulgar coisas que possam ser consideradas como invasão da vida privada de cada um, mas através de um e-mail enviado pelo camarada Gonçalves, achei que não faria mal se divulgasse isto. Trata-se de um encontro na Internet onde participa o jovem que mostra a cremalheira junto aos prémios no "Preço Certo", esse concurso da RTP apresentado por um aborto de sapo espacial (obrigado Calvin, pela expressão) que atende pelo nome de Fernando Mendes. Tendo em conta que eu não suporto gente que só serve para decoração, não me importo de cometer este pecadilho... Deixem-me depois a vossa opinião na caixa de comentários... Mais uma vez, o link.

segunda-feira, fevereiro 14, 2005

Lucy in the sky with diamonds...

|
E agora, com um dia de atraso, morreu a Irmã Lúcia!!!
De facto, não há justiça. Nos últimos anos, tem-se sempre adiantado que é nesse dado ano que morre o Papa. Pois bem, o ano mais próximo em que isso esteve para acontecer foi o corrente 2005, com o polaco a pregar um susto aos crentes católicos, através da sua estadia numa clínica devido a uma gripe que lhe ensarilhou o seu metambolismo, já de si debilitado. Ainda assim, já voltou a andar de Papamobil.
E enquanto ele continua a mandar vir com Deus por nunca mais lhe dar descanso, a irmã Lúcia antecipa-se (isto num sentido de mediatização da preconização mortal) ao seu amigo polaco (que tem uma data de sósias nos EUA).
Mas verdade seja dita, a D. Lúcia de Jesus (só tenho um irmão e não tem 97 anos) é a prova da ignorância que grassava no Portugal de 1917. Toda a gente com um pingo de inteligência (característica algo esmorecido nos católicos praticantes...) sabe que o que todo aquele rebanho humano presenciou em Outubro de 1917, não foi uma aparição da dita virgem Maria, mas sim um OVNI! Com tamanha luz, só podia ser os holofotes de aterragem de um "UFO". Claro que as reformas de instrução promovidas pela I República ainda estavam muito verdes, mais a mais com a interrupção sidonista em que se vivia na altura, logo as pessoas não tinham o "know-how" para compreender tal fenómeno! Claro que também poderemos alinhar por uma bitola de ultra-crendice popular, já que o fotógrafo Joshua Benoliel (um dos maiores fotógrafos portugueses) esteve presente aquando do dito "milagre do sol" e não deu por nenhum alteração do astro solar (de ressalvar que o senhor era judeu).
E outro dado curioso. Deus, J.C., a dita virgem Maria e afins, só aparecem a pobres de carteira e/ou espírito, além de que os únicos que beneficiam com a religião são os ricos (bem-aventurados os pobres, que só gozarão do seu reino quando mortos, é por isso que existem os ricos quando estão vivos, para lhes lembrar que existem (os pobres) para sofrer). Nunca reparei em nenhuma eventual aparição dos "cromos lá de cima" a malta universitária, de esquerda, enfim com um mínimo de esclarecimento...
Mas prontos pá... Graças às ervas que Lúcia e os seus primos Jacinta e Chico colhiam e fumavam aquando das suas idas para os pastos, para pastorear os pequenos rendimentos das suas famílias, a Igreja portuguesa (e depois toda a corporação mundial) encontrou uma excelente maneira de "marketinguizar" o credo. Um terço de um dos F's do Estado Novo pertence à D. Lúcia. Mas não a culpemos por isso. Aliás, o que é que uma pobre criança analfabeta (e, face ao que se sabe hoje em dia da religiosa instituição, abusada sexulamente pelo padre da paróquia) sabia da vida? Nada. Aliás, estou em crer que os acontecimentos mostram o ponto máximo da influência da iliteracia no inconsciente nacional. Foi o bater no fundo. Agora, felizmente, melhorámos, tanto que Fátima hoje representa mais um negócio do que uma lavagem espiritual. O Santuário tem uma receita limpa de 10 milhões de euros/ano, utiliza Bobcats para retirar as oferendas dos visitantes dos depósitos em que se encontram, deita fora as coisas que são mais insignificantes para o tesouro, lavou ouro nazi, vai receber apoio estatal para construir a nova basílica e conseguiu que todos os habitantes de Fátima vivessem da negociata de lembretes religiosos (nunca fui ao Vaticano, mas custa-me a crer que tenham mais merchandising religioso para venda que Fátima).
E no entanto, o Estado português ainda não taxa a Igreja Católica, esse grande lavadouro. Zapatero naturaliza-te português, que nós damos logo 3 em troca (Santana, Sócrates e Paula Portas) à tua Espanha!
E a carneirada segue engolindo... Razão tinha o meu chefe, quando a propósito deste assunto fez uma pequena citação que agora ganha uma nova dimensão: "Lucy in the sky with diamonds"...
P.S. - Por este andar, o Desmond Tutu vai primeiro que o Papa...

quinta-feira, fevereiro 10, 2005

A campanha eleitoral passando pelo Vale da Arrancada

|
A minha mãe é fixe. Dentro do género de dona de casa, posso dizer que conheço piores que ela, e muitas dessas até têm um emprego! Juntamente com o meu pai, fez o esforço de me pagar os estudos (e agora ao meu irmão), mantendo-me ainda o bed & breakfast cá em casa (também, se acabasse com esse regime, ela sabia que eu ia acabar por me tornar um sem-abrigo...).
Por essas e por outras, obrigado mãe!
Agora, ele há outras coisas que um filho custa a engolir. A história da desarrumação consigo suportar, a história da má alimentação também (Mesmo apesar de 4 provativos em anos em Lisboa, em que ela me perguntava dia sim, dia não, o que é que eu tinha comido. Acreditem, mexe com o sistema nervoso de qualquer um!) e ainda a questão da apresentação (vestuário, barba por fazer, etc.), que com sapiencia, vai-se contornando.
Só que tudo tem um ponto negro.
Então não é que no passado domingo, estando nós os trés (o meu irmão está em Coimbra) junto à lareira, na sala de estar, quando começa a dar, depois do hediondo remake do "1,2,3", apresentado por esse Schumacher de saias chamado Teresa Guilherme,o tempo de antena dedicadao aos partidos participantes no acto eleitoral que vai ter lugar no próximo dia 20. Depois de dois ou três partidos, surge a impagável Nova Democracia.
Aparecem umas pupilas de Manuel Monteiro, reclamando o direito de salário para as donas de casa, alardeando argumentos como "mãe em casa cuida dos filhos e assim o Estado não tem que dar uma comparticipação ao jardim de Infância". Sem querer adiantar mais exemplos (já que são todos do mesmo calibre, nem vale a pena estar aqui a mencioná-los), vemos que Monteiro e seus pares iriam acabar por colocar no desemprego os muitos (neste caso é mais muitas) educadores, animadores e auxiliares do pré-escolar. Daqui a nada só falta obrigar o Estado a distribuir "Cartilhas Maternais" a todos as mães, para assim os filhinhos poderem ficar em casa e poupar uns valentes euros em despesas de educação!
Mas e agora? Demover a minha mãe de votar na Nova Democracia? Impossível. Manuel Monteiro fizeram com que o seu orgulho de dona de casa lhe subisse ao nariz...
Mas não se preocupem. Eu não saio á minha mãe... ;)

terça-feira, fevereiro 08, 2005

Um homem honrado

|
Este homem cumpriu a sua palavra, por mais que lhe custasse. Leiam a notícia e depois digam-me a vossa opinião...

Uma câmara não é uma empresa

|
Ontem à noite, num dos telejornais, vi a notícia de que a antiga sede da PIDE-DGS, cita na Rua António Maria Cardoso, vai abaixo para dar lugar a um edifício de luxo.
Eu presumo que o sofrimento infligido pela antiga polícia política da ditadura às suas vítimas fosse grande, imoral, atroz e para lá da nossa racionalidade democrática. Agora, não me parece que os que sofreram gostariam que se apagasse da memória colectiva a instituição que lhes "proporcionou" os momentos mais negros da sua existência.
Ainda há poucas semanas, assinalava-se a libertação de Auschwitz. Este campo de concentração representa uma atrocidade ainda maior do que a perpetuada pela PIDE. Mas devido a isso, a Alemanha, a comundiade judaica mundial, a população cigana, a Polónia, e outros mais envolvidos, resolveram fechar o campo? Não, claro! Utilizam-no para dar conta de como a homem pode atingir graus de crueldade e violência incríveis em relação ao seu semelhante, constituindo, para nós, uma importante chamada da atenção para a fraqueza da condição humana.
Por outro lado, em Portugal, pelos vistos, prevalece o "esquece-te e deixa andar", não interessa preservar a memória do que foi, e com isso penaliza-se o que será. Hoje em dia, naqueles inquéritos de rua que se fazem por alturas do 25 de Abril, os jovens já quase que não sabem responder o que é que aconteceu naquele dia, em 1974. Não têm a mínima noção de que por esta altura em vez de estarem a estudar para economistas, engenheiros ou enfermeiros, a esta hora deveriam estar a fazer contas aos seus encargos mensais, já que deveriam estar no mercado de trabalho como serventes de construção civil, ajudantes de carpinteiros ou aprendizes de costureira. Deixariam de ouvir 3/4 da música que ouvem, pois sem 25 de Abril teríamos continuado sob a égide do nacional-cançonetismo e mal receberíamos as influências do pop-rock anglo-americano. Não existiriam Rui Veloso, Xutos e Pontapés ou os GNR, entre 1001 coisas mais.
E se tantas instituições e fundações perpetuam casas-museu, porque é que a C.M.L. não fez o esforço de adquirir o edifício em questão à Casa de Bragança? Se salvou o cinema S. Jorge das garras de Artur Albarran e Frank Carlucci, porque é que não fez uso do seu direito de primazia e resgatou o nº22 da António Maria Cardoso? Ah! Já sei porquê! É que a actual câmara já não é da mesma tendência desse tempo, além de que tem que andar a tapar os buracos finaceiros deixados pelo (breve) consulado de Pedro "Batatinha" Santana Lopes. Acrescente-se a isto de que o único partido que teve a desfaçatez de apoiar nas Santana nas últimas autárquicas (para além do PSD) foram os monárquicos do PPM. Ora se o edifício é pertença da Casa de Bragança, eles não iriam permitir que o negócio se estragasse, não é?...
Já agora, se isto também acontece por uma questão de requalificação urbana, Lisboa ficará muito mais a ganhar se preservar o seu centro histórico e realmente chamar os jovens, podendo utilizar a célebre EPUL Jovem, e mantendo viva aquela parte da cidade. Mas a gestões de direita normalmente são mais solícitas aos lobbys da construção e imobiliário...
E por falar em Casa de Bragança, irritam-me agora pensar em D. Duarte Tio. Este homem, que ainda não conhece os benefícios da terapia de fala, sempre que fala aos media, gosta de alertar para a necessidar de preservação da nacionalidade, da memória que temos, enfim, o velho discurso monárquico-bafiento. Mas vende um dos edifícios-chave para ilustração do período do Estado Novo? Coerência não há de certeza, sobretudo se termos em conta que a Casa de Bragança é uma instituição riquíssima...
Custa-me também ver que os partidos não se têm mexido muito em prol desta questão, nem mesmo PCP e BE, aqueles que deverão ter tido mais militantes a frequentar indesejadamente aquelas instalações atá 24 de Abril de 1974. O CDS também não se tem mexido, mas esse é por ter os antigos empregados do edifício nas suas fileiras. Digoe eu, talvez...
Por este andar, até deverão intimar os responsáveis pela placa descerrada na antiga sede da "secreta", assinalando os mortos pela PIDE na tarde de 25 de Abril em frente à sede, com multas devido a quererem relembrar coisas feias e out of fashion com aquela placa...

sábado, fevereiro 05, 2005

|

Hoje, voltei a colocá-lo no leitor de CD. Encontrava-me metido no meu part-time patrimonial, perdido no meio do campo, sem vivalma à volta, mato bravio e sol pela frente, tendo como banda sonora estas inesquecíveis harmonias que marcaram o fim da década de 60. E sim, o seu fim foi tranquilo e recomendável...  Posted by Hello

sexta-feira, fevereiro 04, 2005

Não sejam cumplices e participem!

|
À hora de almoço, ao afaer zapping pelos sites do costume, deparei-me com o último (à data) post do Pastelinho, onde o Miguel alertava para o facto de a nigeriana Amina Lawal voltar a correr o risco de ser delapidada à morte. Esta nigeriana, se se recordam, foi condenada à morte por um tribunal islâmico daquele país, por ter engravido fora do casamento (a rapariga não é casada e foi violada, o que causou a gravidez).
Assim, para se contestar este exemplo de como a religião é um dos gatilhos que mais dispara estupidez humana, o Miguel colocou este link do site da Amnestia internacional, onde está a decorrer um abaixo-assinado on-line para tentar salvar Amina. Algo que pode ser possível, pois através deste meio, a Amnistia Internacional conseguiu salvar do mesmo destino a nigeriana Safiya Hussaini.
Portanto, não sejam cumplices da barbárie e assinem!

quinta-feira, fevereiro 03, 2005

Never mind the bollocks

|
Acabou o debate, e eu tomei uma decisão: não votar nestes dois emplastros! A julgar por este debate, Santana Lopes já reconhece a derrota do PSD, esgrimindo só pequenos argumentos (pela forma como são apresentados, devem-se considerar pequenos) para minorar a perda para o PS. Sócrates tinha os tiques ensinados pelos assessores de imagem melhor estudados, mas as propostas, de tão modernas como é a sua esquerda, têm o seu quê de bafiento. Por exemplo. É muito fácil agitar a bandeira de mais empregos, da criação de estágios profissionais, mas isso atacará de sobremaneira o orçamento da Segurança Social (Instituto de Emprego). Eu já beneficiei deste programa, e tenho a consciência de que 25.000 estagiários nas mesmas condições que eu podem representar um grande rombo à já debilitada Segurança Social. O que Sócrates e o PS deveriam fazer (e já nem falo em PSL, pois está visto que ele não ganhará; só se a proverbial iliteracia portuguesa pregar uma partida) seria criar incentivos fiscais para as empresas que se dignem a receber j0vens no seu primeiro emprego (licenciados ou não), com a promessa de um mínimo de dois anos de trabalho, a fim de garantir alguma estabilidade e planeamento aos destinatários do programa, e evitando a evasão fiscal dessas empresas, já que estas teriam que apresentar os rendimentos relativos à sua actividade, de forma a conseguir os ditos benefícios. Mas eu não estou aqui para dar propostas ao PS, até porque não estou para ver as minhas ideias serem adoptadas por outros. Gostaria era de destacar o tom demagógico-eleitoral que ambos os candidatos usaram na declaração final, com Sócrates a usar o Portugal e portugueses, enquanto Santana apostou num "tu cá tu lá" com os (supostos) eleitores. Ricardo Costa, mais uma vez, foi o "menino rabino" da equipa de jornalistas, "entalando" por uma ou duas vezes PSL (mas actualmente isso não é muito difícil). E vocês perguntam-me: "Mas afinal, para ti, quem é que ganhou o debate?". Ao que eu respondo: a SIC e a Dois pelas audiências que granjearam. E aquela senhora que tem sempre a TV ligada no canal de Carnaxide, mas como achou que o seu Adalberto tinha mais conteúdo que os dois velhos marretas, aproveitou para ir passar uma pilha de roupa. P.S.- É graças a estas demonstrações dos políticos nacionais, que eu defendo um Algarve independente!

A primeira parte

|
Ia jurar que quando o Sócrates começasse a falar, o Santana iria começar a gritar: "Maricas, maricas!". Não era de admirar, depois das criancices que temos testemunhado da parte de PSL, que tal acontecesse.
Há para já uma conclusão a retirar: PSL está a caminhar para a morte política e sabe disso. Senão, não estaria a assumir um comportamento deveras errático, como o que está a manifestar agora. Não é que Sócrates lhes estaja a dar um "banho" de retórica e propostas, mas Santana já está desmotivado, nota-se.
E atenção, pouco sumo se retirou nesta primeira parte, servindo o debate, sobretudo, para atirar "postas de pescada" relativamente aos últimos 3 anos de governação PSD/PP e os 6 anos de guterrismo. Engraçado também, é o facto de Sócrates ainda não ter vociferado acerca dos parceiros de coligação do PSD, o Caldas Closet Gang. Será que está gerir argumentos. Ou melhor, será que os tem?
Uma última coisa: já sei qual é o substituto para a palavra promessa. Segundo José Sócrates, agora chama-se objectivo...

RIP

|
Soube há poucos momentos que a Adriano Cerqueira tinha falecido. O que é mau, pois além da chatice que esse acto incontornável e desagradável (chamado morte) acarreta, Adriano Cerqueira era um jornalista de quem eu era admirador, pois ao seu estilo escorreito e profissional de apresentação, juntava-se um admirador/comentador de automobilismo com uma qualidade rara em Portugal. Os meus primeiros GP's foram vistos com a dupla locutora José Pinto(por onde é que ele anda?)/Adriano Cerqueira.
Já nos últimos tempos, Adriano Cerqueira ainda fez umas quantas aparições na cabine de GP's da RTP, fazendo companhia a essa nódoa falante, chamada Paulo Solipa.
Pode ser que, caso exista algo para além da nossa compreensão, ele possa estar agora a comentar as manobras de corrida de mártires como Senna, Gilles Villenuve ou Fangio.
Acima de tudo, que a sua memória perdure!

Tenho dito

|
Até os militares mais recalcados conseguem ser mais simpáticos que as senhoras da contablidade da C.M.P. . E o tesoureiro não fica atrás...
Enquanto tive que esperar que as ditas senhoras me colocassem o imposto de selo no contrato de trabalho (por incrível que pareça, tive que pagar 5 euros para começar a trabalhar!), ouvia todo um discurso sobre a feitura e transporte de um determinado bolo (agora não me lembro qual era...). Mas honra seja feita à senhora que nos atendeu; apesar de ter demorado uma eternidade para chegar até nós, lá foi para o computador fazer o que tinha de ser feito. Claro que estava com uma cara de poucos amigos por não poder continuar em amenda cavaqueira com as colegas, mas isso já são meros pormenores...
Já o tesoureiro, pegou os nossos contratos, cravou-nos o dinheiro do selo, e lá soltou um ténue obrigado (daqueles com laivos de obstipação) quando eu lhe paguei (mas não agradeceu à minha colega, quando ela fez a mesma coisa).
Ora, se nós somos (a patrir de hoje) colegas, imaginem o que será com os utentes! Será a frustração de nós sermos licenciados (coisa ridícula, pois cada vez acho mais que deveria ter arranjado aptidões para técnico de informática ou electricista, em vez de seguir a "vocação" de história...) e a malta sentir um toque de subalternidade, que provocou aquele desdém de pacotilha? Eu, por mim, acho que somos todos iguais, agora ele há complexos de inferioridade...
Depois queixem-se que se fale mal da função pública...

quarta-feira, fevereiro 02, 2005

|
Ontem, quando escrevi o post comemorativo da chegada de Tiago Monteiro ao "circo" da F1, queira ainda ter escrito sobre outras duas boas notícias para o autmobilismo português (daí o título "Confirmado(s)"), só que o factor tempo não ajudou.
Pois bem, as outras duas grandes (embora não atinjam a escala do feito de Tiago Monteiro) notícias para o automobilismo nacional, foram as contratações de Pedro Lamy por parte da Aston Martin e a nomeação de Filipe Albuquerque como piloto Red Bull.
Pedro Lamy, devido aos resultados alcançados com os Lotus e Minardi, deu, para os mais incautos, uma imagem de piloto lento e sem talento, que andava sempre pelas últimas posições. Claro que para nós, pessoas com algum conhecimento de causa, sabíamos que Pedro Lamy era um talento que não tinha o dinheiro para se impôr (algo agravado pela nacionalidade). Senão vejamos: Nick Heidfeld, Jos Verstappen, Heinz-Harald Frentzen ou Jarno Trulli foram campeões na F3 alemã. Pedro Lamy também. David Coulthard ficou atrás do nosso compatriota no campeonato internacional de F3000 de 1992 (e Lamy guiava um carro da época anterior). Rubens Barrichello e Mika Hakkinen venceram a F. Opel Euroseries. Pedro Lamy também. E no pós-F1, Lamy foi-se piloto pago e não pagador, conduzindo para equipas como a AMG Mercedes, Porsche, Oreca ou Zakspeed, sagrando-se campeão do mundo da categoria de GT2 em 1998, vencedor do campeonato V8 Star em 2003, vencedor da categoria GTS nas ELMS de 2004, vencedor das 24 Horas de Nurburgring, resultados de vulto em Le Mans, entre muitos outras referências. Pelo meio teve a época de 1997 (a Schubel, equipa com a qual iria disputar o campeonato FIA/GT, foi à falência ao fim de três provas...) e o "episódio DTM", onde, com um Mercedes inferior ao dos seus companheiros de equipa, marcou passo, tendo a coragem de dizer não à Mercedes pela segunda vez (acto de muita coragem no desporto automóvel), no ínicio da sua segunda temporada naquele campeonato.
Agora, Lamy irá juntar-se a outros dois "excluídos" do Mundial de F1 (David Brabham e Tomas Enge), ao seu ex-companheiro de equipa na Mercedes, Darren Turner, e aos especialistas em GT's Stephane Ortelli (ex-vencedor em Le Mans) e Peter Kox, no esforço conjunto entre Aston Martin e Prodrive, para relançar a imagem desportiva da prestigiada marca inglesa, tendo em vista a vitória (à classe) nas 24 Horas de Le Mans e no Mundial da categoria. Mais uma vez, foram atrás do Lamy, e não o Lamy atrás deles! Força Pedro!
Com menor direito a grandes parágonas, a nomeação de Filipe Albuquerque como piloto Red Bull não deixa de ser um facto a assinalar e festejar, mais a mais, agora que a marca austríaca possui uma equipa de F1. Para tal acontecer, contribuiram as ligações que os irmãos Couceiro têm com o Dr. Helmut Marko, desde os tempos em que Pedro Couceiro correu para este no campeonato alemão de F3 em 1995. O Dr. Marko presentemente é o director-geral da Red Bull Racing, podendo, pelo menos, alimentar ambições justas ao piloto de Coimbra de chegar à F1. Por agora, já está debaixo da asa de uma das equipas...
O jovem Albuquerque (18), vice-campeão europeu de Karting em 2002, figurando entre os 10 melhores do mundo em 2003, irá competir no campeonato espanhol de F3, ao volante de um Dallara/Toyota da Racing Engineering.
Força Filipe!

terça-feira, fevereiro 01, 2005

Confirmado(s)!

|
(Acabei de descobrir que apaguei o psot original, portanto vou tentar fazer uma reconstituição)
Povo meu, sai à rua! Portugal não ganhou o europeu de futebol, mas conseguiu enfiar um piloto no Mundial de F1 (o que é mais importante...)!!!!
Tiago Monteiro assinou ontem (façam de conta que isto foi escrito na Terça-feira) com a Midland/Jordan, um contrato para disputar a próxima temporada de F1. Monteiro será assim o 4º português a disputar o Mundial de F1, depois dos esforços "tesos" de "Nicha" Cabral, Pedro Matos Chaves e Pedro Lamy. Será ao volante do EJ14B/Toyota que Tiago terá que suplantar o seu companheiro de equipa (que tudo indica que seja o indiano Narain Karthikeyan, fruto dos interesses do grupo Midland na India), sempre o primeiro adversário de qualquer piloto, e os dois Minardi, podendo também igualar as perfomances dos Red Bull, já que o motor Cosworth que equipa os carros da marca austríaca (e da Minardi) deverá ser o pior do plantel.
Não sei ainda quem foram os patrocinadores de Tiago Monteiro, para que este pudesse dar este passo de gigante, mas esta seria uma boa oportunidade para o Estado colocar a marca "Portugal" num flanco do carro, e obter assim uma exposição para o país mais eficaz que o Euro2004, já que obtem-se uma exposição efectiva ao longo de 9 meses, com uma projecção televisiva mundial tão ou maior que a do evento realizado no mês de Junho do ano transacto em Portugal. Se derem o valor de um estádio ao Tiago, ele quase que fica rei e senhor da equipa...
Acima de tudo, força Tiago!

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com